Visto de trabalho para a Alemanha sem diploma

Após uma empresa alemã ter entrado em contato comigo para fazer parte de um processo de contratação, comecei a pesquisar sobre os passos para conseguir um visto de trabalho. Eu já sabia que no meu caso seria complicado porque eu não terminei a faculdade, portanto não tenho um diploma.

O processo descrito aqui também é válido para aqueles que completaram a faculdade e possuem um diploma, mas o mesmo não é reconhecido na Alemanha.

Como tivemos muita dificuldade em achar informações sobre como conseguir o visto de trabalho sem diploma, resolvemos compartilhar os passos que a gente seguiu para ajudar quem também vai passar por esse processo.

Passos para conseguir um visto de trabalho para a Alemanha

1) Contrato com uma empresa

A primeira coisa, obviamente, é conseguir um contrato de trabalho com uma empresa alemã. Não vale trabalho remoto. No contrato tem que estar especificado que o seu posto de trabalho é na Alemanha.

2) Carta de aprovação

Alguns profissionais são mais requisitados que outros. Áreas como TI estão expandindo muito rápido, e o país não tem profissionais suficientes para suprir a demanda, e isso quer dizer que é mais fácil conseguir visto para trabalhar nessas áreas.

A empresa que está te contratando vai fazer um pedido de aprovação do mercado de trabalho (Arbeitsmarktzulassung) para a Agência Nacional do Trabalho (Bundesagentur fuer Arbeit).

Esse é o principal documento para levar ao consulado na entrevista para o visto, e vocë precisa do original, que a empresa deverá te enviar por carta.

3) Comprovação de experiência de trabalho

Como você não tem um diploma, a única forma de mostrar que você é capaz de ocupar a vaga é com sua experiência profissional.

A empresa lhe enviará uma “Job Description”, descrevendo todas as qualificações necessárias para ocupar a vaga para qual você está sendo contratado. Você precisa comprovar que tem tais qualificações. Por exemplo, se a vaga é para programador com no mínimo 2 anos de experiência, você deverá apresentar provas de que tem 2 anos de experiëncia programando.

A sua carteira de trabalho não é um documento válido para esse caso. Você terá que ir nas empresas onde já trabalhou e pedir uma carta de recomendação. Você pode procurar no Google para ver como essa carta pode ser escrita mas, basicamente, ela deve dizer o seu nome completo, o nome da empresa, o cargo que você ocupou e por qual período. Ela deverá ser assinada pelo RH ou algum superior (gerente, diretor, etc), e a assinatura deverá ser reconhecida em cartório. Quanto mais dessas cartas, melhor.

Se você tem comprovantes de cursos, seminários, ou qualquer coisa que pode ter contribuido para a sua carreira profissional, você também pode levar.

Além do reconhecimento de firma, todos esses documentos devem ser traduzidos por um tradutor juramentado. Você pode achar uma lista com os tradutores juramentados no site da Junta Comercial do seu estado (Jucemg em Minas Gerais, Jucesp em São Paulo, etc).

Prepare-se para gastar dinheiro, pois as traduções não são baratas. A tradução de 4 cartas em BH ficou em 750 reais. Como o preço é tabelado, não existe outra opção mais barata.

4) Seguro viagem

Você vai precisar de um seguro viagem. Você pode achar qualquer um na internet e pode pegar o mais barato. Quando começar a trabalhar na Alemanha você terá o seguro de saúde obrigatório, descontado diretamente do seu salário.

O seguro precisa ter um valor mínimo assegurado de 30 mil euros ou 50 mil dólares e deve ter duração de pelo menos 3 meses à partir da data da viagem. Conheci algumas pessoas que conseguiram passar pela entrevista com um seguro menor, pois alegaram justamente que teriam o seguro obrigatório na Alemanha (o que faz muito sentido). Eu não quis arriscar.

5) Formulários, fotos e papelada do consulado

O site do consulado disponibiliza alguns formulários de preenchimento obrigatório que você precisa levar para a entrevista. Preencha prestando muita atenção.

As fotos são 3,5cm por 4,5cm. Preste atenção às exigências do consulado quanto às fotos.

Pra quem é casado

Conhecemos duas formas de levar o cônjuge: irem juntos em um vôo direto Brasil > Alemanha ou ir sozinho e mais tarde fazer o visto de reunião familiar para o cônjuge. Como nós fizemos a primeira opção, é dessa que iremos tratar aqui.

O único documento que você precisa para levar o cônjuge é da certidão de casamento traduzida pelo tradutor juramentado e assinada pelo cônsul. A assinatura do cônsul é necessário para que esse documento seja válido na Alemanha, e é cobrada.

O consulado recomenda que sua ida definitiva com o cônjuge seja feita em um vôo direto, ou seja, um vôo que não tenha escala em nenhum outro país, para evitar problemas na imigração de um país que nada tem a ver com os acordos de visto entre Brasil e Alemanha. Infelizmente esses vôos normalmente são mais caros, pois apenas a Lufthansa e a Condor fazem esse trajeto, sendo que a Condor, até o momento, só tem vôos saindo do Nordeste.

Na minha opinião, o problema do vôo direto só acontece quando se tem apenas a passagem de ida, pois seu cônjuge não terá nenhum visto e estaria entrando em um país como turista e sem passagem de volta. Nós decidimos não correr o risco e fomos de Lufthansa.

O cônjuge receberá, juntamente com você, um título de residência no passaporte. Com esse título, ele(a) pode trabalhar normalmente no país.

No dia do vôo

Tenha em mãos documentos como o seu contrato de trabalho, sua carta de aprovação (Arbeitsmarktzulassung) e certidão de casamento legalizada e traduzida. Na nossa experiência, apenas a TAM verificou os documentos (coisa que levou cerca de 50 minutos), mas muito provavelmente porque só tínhamos passagem de ida.

Links

Aqui vai uma lista de documentos que devem lidos ou impressos e assinados para depois serem levados no consulado.

Ei, gostou da dica?

Me paga um café!